CUIDAR DE SI

Imprimir

APRESENTAÇÃO

25/5/2009

Estamos vivendo a era da tecnologia de moldar os corpos. Constantemente emerge no mercado “estético” uma nova fórmula, uma nova máquina, uma “revolucionária técnica”, ou seja, novas receitas e regras de como conseguir um corpo moldado segundo um padrão imposto de “beleza e saúde”. O que estamos vivendo na verdade é um grande e consistente massacre para nos impedir de exercer um “cuidar de si mesmo”. Uma alienação que se produz e nos faz crer que não sabemos do que o nosso corpo, nossa mente e sentimentos precisam. A nossa capacidade de nos cuidar é constantemente atacada e ficamos reféns dos “outros” que sabem e decidem o que é o melhor e o mais saudável. Como dizia Foucault: cuidar de si mesmo implica que se converta o olhar, que se o conduza do exterior... dos outros,do mundo, etc. para o “si mesmo”. Apropriar-se do seu corpo, dos seus pensamentos e sentimentos é um caminho para a saúde e por isto mais difícil, pois envolve um gesto de estar em si mesmo e descobrir as suas necessidades e desejos. Temos hoje infinitos recursos como o Pilates, o Tai Chi, etc. (em outros textos daremos destaques a muitos destes recursos) que buscam fortalecer esta integração e nos libertar dos padrões impostos de saúde. O cuidar de si mesmo, portanto implica viver em relação com o mundo, com os outros sem esquecer-se desta interioridade singular que cada individuo possui. Este é o caminho da saúde, da potência da vida e da existência.

COMENTÁRIOS:(5)

  • 8/9/2009 17:29:46
    Nome:MARIA EMILIA MENDONCA
    Site / Blog:www.ginasticaholistica.com.br
    Comentário:Olá! Voce começou citando Winnicott, por que não seguiu em frente com ele? Saltou para Foucault, que tem muito a contribuir, mas poderia ter aproveitado mais o psicanalista inglês. Conhece o texto "Fisioterapia e Relações humanas"? Está no EXPLORAÇÕES PSICANALÍTICAS". É um texto interessantíssimo da maturidade teórica de Winnicott. Vale a pena conhecer. Forte abraço .M E.

  • 14/6/2010 00:48:40
    Nome:DENIZI
    Comentário:Não há comentário,reflexão ou algo assim sobre o que Emília disse: cuidar de si, cultura do corpo vigente...e Winnicott!onde se encontram?

  • 9/9/2013 00:57:18
    Nome:N2JWQBANCA
    Site / Blog://www.facebook.com/profile.php?id=100003443721578
    Comentário:Great post Meryl! I'm also getting iertnested in nostalgia and digital objects as a form of identity work. Nostalgia can be beneficial to identity development, rather than basing it always on negative implications of nostalgia that scholars draw on, such as how the 1950s was a pretty terrible time in many ways and terrifying for many Americans (non-whites, LGBT, women), but we mythologize it as being safe and familiar. For the most part I am a Mead/Simmel kind of guy but the more I think about it, identity seems to need these internal cultural reservoirs to draw from for creative activities. Maybe the somethingawful 80s parodies and goofy, entirely sincere children's shows inspired from that time like yo gabba gabba or homestar runner fit the bill? Interesting and unrelated: homesickness originally meant wistful feelings for one's homeland before homes became so central to our family life, and now it literally means being wistful for our home. Maybe you've inspired me to do a blog post on nostalgia tonight :)

  • 10/9/2013 17:14:08
    Nome:1CVVYLELPYT
    Site / Blog://www.facebook.com/profile.php?id=100003443487119
    Comentário:I've been thinking a lot about "//gagdfrram.com">trinsitaonal objects as a means to creating a new identity/entrance into a different reality.Cinema works similarly in the way we become the images we see on the screen, letting us temporarily become someone else or enter a new reality in the safety of the mother .

  • 11/9/2013 01:25:48
    Nome:2HFNU6CETY
    Site / Blog://www.facebook.com/profile.php?id=100003443318265
    Comentário:Huizinga referred to the magic cirlce of play, within which the game unfolds.a0 Therapy, with its 45-50 minute hour, office setting and professional boundaries, is such a magic cirlce.a0 If you don't take the idea of play seriously, you will probably find this analogy offensive.a0 But in my opinion play is very serious.a0 In psychotherapy, patient and therapist become earnestly engaged in the immediacy of what happens.a0 People become ghosts of other people, monsters appear, and ancient kingdoms rise up from beneath the waves for a day.a0 I believe that most people who have been in treatment will be able to recall the immersive and powerful experiences they have had there, experiences which have felt tragic and heroic.a0 Hopefully the patient leaves the magic cirlce having changed, the unnecessary obstacle is overcome, and life gets better. //rpcvowzun.com [url=//llzmtblzzz.com]llzmtblzzz[/url] [link=//prynaxsbmy.com]prynaxsbmy[/link]

Envie seu comentário

voltar

Irmãs Ross...Uma relíquia
Fantásticas, famosas na época.

.

Psicotramas

16/08 - Lançamento do livro Crônica de uma Ilha Vaga
Núcleos de Formação Permanente no CEP

Psicorama © - Todos os Direitos Reservados
psicorama@psicorama.com.br

MFSete